A Carta e o SUS, por Drauzio Varella

Publicado na CartaCapital.


Corria o ano de 1994, quando Mino Carta me convidou para escrever na revista que acabara de criar. O SUS era uma criança de 6 anos.

Foi a maior revolução da história da medicina brasileira. Nenhum país com mais de 100 milhões de habitantes ousou oferecer saúde gratuita a todos, sem exceção.

Antes da existência do SUS, os pacientes sem condições financeiras para arcar com os custos médicos ficavam limitados ao antigo INPS (desde que trabalhassem com carteira assinada). Os demais eram rotulados como indigentes, portanto dependentes da caridade pública.

Não obstante as deficiências, desorganização, uso político, corrupção e demais desmandos do SUS, no curto espaço de 30 anos implementamos o maior programa gratuito de vacinações, de transplantes de órgãos e de tratamento da infecção pelo HIV, do mundo inteiro.

Nosso programa de saúde da família é considerado pelos organismos internacionais um dos dez mais importantes da saúde pública mundial. As transfusões de sangue se tornaram seguras graças aos hemocentros do SUS; o Resgate socorre pessoas no Brasil inteiro.

Essas conquistas convivem com o subfinanciamento crônico, as filas nos serviços de emergências e nos ambulatórios, a demora para marcar exames e conseguir internações hospitalares e as dificuldades de acesso a cuidados médicos de qualidade.

Os recursos disponíveis à Saúde Suplementar e ao SUS expõem a desigualdade brasileira: cerca de 140 bilhões de reais para cuidar de 50 milhões de beneficiários dos planos de saúde, contra 230 bilhões destinados aos 150 milhões dos que dependem exclusivamente do SUS.

O SUS é um projeto em construção a ser aprimorado pelos médicos e administradores de hoje e pelos estudantes que cursam o número absurdo de faculdades de medicina espalhadas sem critério reconhecível, pelo país afora. Estudando em escolas medíocres, estarão à altura desse desafio?

Por outro lado, nesses 30 anos, testemunhamos um salto de qualidade técnica da medicina que não encontra paralelo na história da humanidade. Vimos surgir as imagens dos órgãos internos reveladas com nitidez pelos ultrassons, tomografias computadorizadas, ressonâncias magnéticas, cintilografias, PET-scans, endoscopias.

Quando me formei, os grandes problemas nacionais eram as doenças infectoparasitárias, que, embora ainda persistam, são menos prevalentes do que as enfermidades degenerativo-crônicas. A faixa etária da população que mais cresce é a que está acima dos 60 anos. Hoje, somos 19 milhões, em 2050 seremos 40 milhões.

O envelhecimento populacional dos últimos 30 anos levou 60 para acontecer na Europa desenvolvida.

Os brasileiros envelhecem mal: temos pelo menos 14 milhões de pessoas com diabetes. Metade das mulheres e homens chega aos 60 anos com hipertensão arterial. Doenças cardiovasculares e câncer disputam o título de principal causa de morte. A obesidade virou epidemia: 52% dos brasileiros estão acima do peso. Os quadros demenciais estão presentes em grande número de famílias.

Nos últimos 30 anos, os avanços da pesquisa pura e da biologia molecular produziram uma avalanche de informações sobre a natureza íntima do DNA, RNA e das proteínas envolvidas em processos infecciosos, inflamatórios, degenerativos e neoplásicos. Esses conhecimentos darão origem à medicina personalizada, que levará em conta a biodiversidade humana, e aos transplantes de células-tronco e de genes que corrigirão defeitos genéticos ou adquiridos.

O domínio das informações que brotam incessantemente das bancadas dos laboratórios e dos estudos clínicos internacionais com milhares de participantes está além da capacidade humana para digeri-las.

Sem a ajuda da informática e de supercomputadores que aprendem com a experiência – como os que conceberam o Watson, da IBM –, não haverá como reconhecer-lhes a prioridade e incorporá-las à prática. O médico que toma decisões não amparadas em evidências científicas sólidas será uma figura tão ultrapassada quanto a dos que aplicavam ventosas e propunham sangrias.

Os próximos desafios serão os de levar os benefícios dessa medicina altamente tecnológica ao restante da população. Tarefa para gerações, porque exigirá a reinvenção de um SUS que ainda nem conseguimos implantar com a abrangência desejável.

Os custos dessa nova medicina serão tão altos, que talvez venhamos a nos convencer, finalmente, de que o investimento preferencial deve ser na prevenção. Impedir que as pessoas fiquem doentes evita sofrimento e sai bem mais em conta.


Drauzio Varella é Médico cancerologista, um dos pioneiros no tratamento da AIDS no Brasil, é autor de "Estação Carandiru".

Comentários